Coisas que não vemos mas sabemos existir. Desejos e histórias que nascem e morrem num piscar de olhos. Palavras de um cérebro que sente e um coração que pensa. Eu nunca vi uma estrela cadente e mesmo assim procuro por ela todas as noites.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

O muro

Penso que houve um momento onde algo se rompeu. Como o dia se quebra pra virar noite. Sutil, as cores vão mudando, você vê amarelo, laranja, às vezes rosa. De repente o azul virou negro e você lá, no mesmo lugar. Mas tudo mudou.

Meu nome é Olivia e sou o que chamam de uma pessoa fragmentada. Pelo menos esse foi o diagnóstico da minha terapeuta. Tenho pedaços soltos que não se colam. Como o cristal que não se ajusta depois de quebrado. Pequenos estilhaços que se perdem porque são frágeis demais pra suportar. Nunca me considerei frágil. Talvez porque sempre me considerei inteira.

Numa das noites que seguem um dia difícil, me deparei com minha imagem no espelho. Meus olhos estavam inchados e vermelhos e meu rosto estava ardendo. Precisava de um pouco de água gelada. Já teve a sensação do frio da água em contato com a pele em chamas? Experimente, é reconfortante. Fiquei encarando aquela imagem por algum tempo, uma mulher com os olhos pequenos e vermelhos. Não sei quem ou como começou, só vi que aquela mulher falava comigo.

- Você parece cansada.

- Dia ruim.

- Imaginei. Noite longa?

- Provavelmente, dias ruins sempre são seguidos de noites assim. Acabam num muro intransponível e acabo vencida pelo sono.

- Você sabe o que dizem sobre esses muros.

- Não faço idéia.

- Quando se chega a um muro intransponível não há muito que fazer. É quebrar a cara ou quebrar o muro.

- Uma marreta agora ia ser perfeita.

- Talvez seja o mais óbvio. Não o mais eficiente, no seu caso. Melhor arrumar alguns band-aids e gelo, pode ser que você precise.

Fui dormir convencida de que precisava de uma maleta de primeiros socorros e um capacete. A batalha com o muro estava começando e eu precisava descobrir como chegar do outro lado.

7 comentários:

  1. Adorei. A complexidade é subjetiva, uma verdadeira obra de arte pati.. ja sou sua fã

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Mana foi vc q escreveu????
    Adoroooooo......consegui colocar minha foto vc viu??hahahahha...to manjando ja nisso aki!!!
    Te amo mto!!!

    ResponderExcluir
  4. É pelo visto nao to manjando nao pq postei errado de novo...coloqquei no seu nome..hahahahha,mas ta valendo....
    Te amo

    ResponderExcluir
  5. EU AMEI...so isso que eu tenho pra falar nesse momento...

    ResponderExcluir
  6. Seu blog.. Sua cara.. hahah Adoreii Paty!
    =*

    ResponderExcluir