Coisas que não vemos mas sabemos existir. Desejos e histórias que nascem e morrem num piscar de olhos. Palavras de um cérebro que sente e um coração que pensa. Eu nunca vi uma estrela cadente e mesmo assim procuro por ela todas as noites.

sábado, 15 de junho de 2013

O curioso caso da pilha AAA

Sabe quando alguém te diz: sempre há uma solução para tudo na vida? Pois é, sempre achei isso uma baboseira sem tamanho. Quer dizer, quem nunca esteve em uma posição sem saída que realmente era sem saída?
Ok, “a vida ensina”, “tudo tem sua hora”, “o impossível é questão de prefixo”. Quantos clichês fazem seu dia?
Pois é, estava eu em uma noite agradável com: vinho, 5a temporada de Friends, sexta-feira inteirinha pra mim. Poderia ser mais uma noite tranquila no Reino Encantado (minhas amigas entenderão), só que não. Eis que eu resolvi, depois de um pouco mais de meia garrafa de Cabernet Sauvignon, procurar uma pilha. Pois é, uma pilha. Eu queria ver meu amado DVD “Where the Light is” do John Mayer. Veja bem o nome do DVD que eu encarnei.
Voltando à pilha. Pois é, eu precisava de duas pilhas AAA. Eu tinha uma só (obrigado moço da NET que levou meus dois controles e minhas 4 pilhas junto com eles). Eu amo o John mas, convenhamos, não amo todas as faixas do DVD. Daí eu queria mudar  para as minhas favoritas né. E não podia porque o único controle com pilha palito era do bendito DVD. Fui à caça do objeto que atenderia meu desejo. 
Depois de achar um caderno antigo com anotações do intercâmbio  de 2003, meu cachorro de pelúcia Liam Jackson sumido há uma década– uma homenagem singela a dois ídolos da adolescência, Liam Gallagher e Joshua Jackson –, minha lembrança da 1a eucaristia, minha bola 8 mágica, meu dálmata da Disney (sem o nariz porque a Suri comeu parte dele), enfim: não tinha pilha.
Então eu, entorpecida pelo Gato Negro e completamente certa de que não existia uma pilha palito na minha casa, estava simplesmente fazendo um “cata” como diz minha mãe. Jogando fora o lixo guardado em gaveta, queimando foto de quem não tem mais espaço no meu faqueiro (um dia conto essa história), ouvindo as músicas do John que eu nem gosto muito mas, vamos lá, sempre é legal. Eis que eu tinha desencanado. Porque as vezes, a gente desiste um pouco mesmo. Ou quer muito desistir, mesmo não acreditando que termine daquele jeito.
Daí eu vi uma chave bizarra junto com um daqueles anéis neon que você ganha em formatura. Pensei: lixo. E o que tinha dentro desse pequeno pote meus amigos? UMA PILHA PALITO. Não, eu não inventei essa história. Por mais que eu adore finais felizes, confesso que ultimamente tenho desacreditado um pouco dos clichês. E não é que os danados me perseguem?
Pois eu, completamente incrédula, coloquei a pilha no controle e ele funcionou. E eu dei uma gargalhada gostosa, saí rodopiando pela sala, voltando a acreditar no mistério da vida. E se você do outro lado está pensando “que idiota ficar feliz por uma pilha”, acredite: o dia em que você precisar muito de uma coisa tão trivial e misteriosamente essa coisa aparecer, volta aqui e lê esse texto de novo.

MORAL DA HISTÓRIA: não pare de procurar, ser curioso é bom, jogue fora o que não faz sentido na vida, descubra velhas coisas que despertem novos sentimentos. E sempre compre pilhas extras porque, vai que.


2 comentários:

  1. Pedro Saliby Garcia10 de julho de 2013 16:56

    Eu odeio pilha! Ainda mais AAA!

    Quanto à encontrar algo que você quer muito, comigo acontece diferente. Eu sempre acho hoje, algo que eu procurei há muito tempo. E o que eu procuro hoje, só acho depois de algum tempo. Enfim, a felicidade ao encontrar a coisa é mesma, se não maior! hahaha!

    Continuo acessando seu blog, e espero que continue escrevendo.

    Um beijo,

    Pedro.

    ResponderExcluir
  2. Acredito no reposicionamento.. Coisas antigas passam a dar espaço às novas e vão ocupar uma outra função!! Umas servem de matéria-prima pro fogo hahaha outras, podem se tornar um grande presente pra uma certa menininha figura q anda por aí bagunçando com a madrinha!
    Assim também são os sentimentos, pra calmaria chegar a tormenta tem que passar..e passa! Mas como disse uma sábia escritora outro dia, isto depende somente de nós mesmos. Somos o nosso melhor gerente.
    E a pilha????? Hahahah hoje temos recarregáveis, mas se não por na tomada...

    L.F.(Anônimo) rss

    ResponderExcluir